expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass' oncontextmenu='return false' ondragstart='return false' onkeydown='return checartecla(event)' onselectstart='return false'>

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Análise dos livros #9, #10, #11 e #12

Terminamos os resumos dos últimos quatro livros de PLL - e já estamos com saudade! Quando soubemos que os livros não terminavam em Perigosas, nossa primeira reação foi pensar que a história fosse ficar chata, porque não fazíamos a menor ideia do que poderia acontecer depois de Poconos. Assim que lemos o prólogo de Twisted, mudamos totalmente de opinião e, depois que terminamos Burned, somos só elogios a Sara Shepard, que soube preservar a essência da saga ao criar um novo cenário para as Liars e -A.

Na Seção Livro vs Série, comparamos os oito primeiros livros com a série. Para falar sobre o #9, #10, #11 e #12, vamos comparar os oito primeiros livros com os quatro últimos que resumimos. No LvsS, determinamos que a revelação do primeiro -A era o fato que dividia a história. Agora, vamos usar o incêndio em Poconos como marco/divisor para a comparação. Vamos dividir cenário e personagens. O cenário é onde se passa a história e os personagens são divididos em principais e secundários. Os principais são as Liars e -A e os secundários são os demais. Também vamos comentar os prólogos de todos os livros, que são sempre flashbacks. Vamos nos referir dos livros #1 ao #8 como Parte I e do #9 ao #12 como Parte II











Flashbacks, segredos e amizade das Liars
Parte I: os livros começam com um flashback relacionado com as descobertas que são feitas ao longo da narrativa. O flashback de Perigosas finaliza a sequência de acontecimentos que deram início a história e descobrimos como Courtney mandou Ali para a Preserve, como a Cápsula do Tempo foi determinante para a troca das gêmeas, como as meninas descobriram que Ali saía com Ian e o que aconteceu antes, durante e depois da festa no celeiro. 

Cada uma das meninas tinha segredos individuais, que -A soube lendo o diário de Ali e as espionando, e todas elas estavam ligadas por um segredo principal, inclusive Ali, que era a Jenna Thing

As meninas, depois que Ali desapareceu, se afastaram e a amizade acabou. Após a descoberta do corpo de Ali, elas começam a receber as mensagens de -A. Mesmo assim, as quatro não voltaram a ser amigas. Elas só se falavam quando o assunto era -A e se desentendiam com frequência. 

Parte II: o livro #9 começa um tempinho depois da traumática festa em Poconos. Apesar da polícia afirmar que ninguém sairia vivo daquele fogo, várias pessoas diziam ter visto Ali nos mais diferentes lugares dos EUA. Desde a revelação de Mona como -A, as Liars eram notícia. Após Poconos, a história foi abordada exaustivamente por todos os meios de comunicação; as pessoas estavam tão fascinadas com o comportamento psicótico de Ali que até um telefilme foi feito sobre o caso, o Pretty Little Killer

As Liars precisavam de um tempo longe de Rosewood e o lugar escolhido foi a Jamaica. Aria, Noel, Hanna, Mike, Emily e Spencer embarcaram rumo ao resort The Cliffs para uma semana de festas, sol e badalação. No primeiro dia no resort, após uma tarde relaxante em um mar cristalino, todos estavam prontos para festejar e se jogar na pista de dança. Após o primeiro brinde da viagem, Emily ficou atordoada quando viu uma menina loira, de vestido amarelo e cheia de marcas de queimadura pelo corpo, entrar no salão. Pronto: a festa, que mal tinha começado, terminou. 

O prólogo do #9 termina quando Emily diz que a menina loira é Ali. Dez meses depois começa a nova saga das PLL. Depois que voltaram da Jamaica, elas não se falaram mais. Aliás, o estranhamento entre elas começou na Jamaica mesmo, quando elas estavam sozinhas no quarto. Se dependesse da vontade delas, depois da primeira noite, eles já poderiam voltar para Rosewood; mas como Mike e Noel estavam junto, elas foram obrigadas a se aturar e fingir o máximo possível que tudo estava bem. 

O #9, como dissemos na resenha, foi para nos apresentar a nova Jenna Thing, o segredo que envolvia todas elas. Comentamos na resenha de Twisted que as tramas individuais não eram muito interessantes e que o livro preparava o terreno para a nova fase que a história ia entrar. Aos poucos, as meninas se lembram do que aconteceu depois que Emily mostrou a garota loira para elas. Ela se chamava Tabitha Clark, era de New Jersey e conversou com cada uma delas durante a festa. Tabitha era assustadoramente parecida com Ali, dava mil indiretas sobre os segredos que Ali sabia de cada uma delas, além de ter queimaduras e usar uma pulseira desgastada idêntica a pulseira da Jenna Thing. Depois que todas conheceram Tabitha, elas se reuniram no quarto. Emily afirmava que Tabitha era Ali. Hanna, Spencer e Aria não concordaram mas estavam muito preocupadas. Coisa boa Tabitha não era. Enquanto conversavam, Tabitha deixou um bilhete em baixo da porta as chamando para conhecer o ninho do corvo. As meninas decidiram enfrentá-la de uma vez. A reunião no ninho do corvo acabou de maneira trágica, quando Aria, sem querer, empurrou Tabitha do penhasco e seu corpo desapareceu na praia. Pronto: não durou nem dois meses a tentativa de voltar a serem melhores amigas. Embora nada tenha sido falado sobre Tabitha nos dias seguintes ao acidente, elas não estavam tranquilas. A primeira mensagem de -A chega um ano depois da Jamaica, com um recado atrás de uma foto do resort. -A sabe o que elas fizeram. As outras mensagens são sobre os novos problemas que as meninas se metem. No final, as meninas vêem na tv que o corpo de Tabitha foi encontrado e a causa da morte é atribuída ao excesso de álcool que ela ingeriu antes de entrar no mar. Tabitha se afagou por estar bêbada. Claro que as meninas sabem que isso é mentira e claro que -A sabe que elas a empurraram - e essa é a nova carta na manga de -A contra as Liars.

A partir daí, as mensagens que as meninas recebem são sobre Tabitha e outras coisinhas que elas fizeram. 

A história do #9 começa um ano após o incidente na Jamaica. Quando voltaram da viagem, as meninas não se falaram mais e cada uma foi para um lado. Apesar disso, cada uma delas se meteu em uma encrenca logo depois da Jamaica. E, em razão disso, elas se reuniram novamente. Ficou muito legal, mas muito mesmo, o que a autora fez para que as meninas se reunissem pós Jamaica. No prólogo do #10, #11 e #12, é contado o que aconteceu com Spencer, Emily e Hanna para que cada uma delas ligasse para as outras pedindo ajuda. Só não soubemos o que aconteceu com Aria. De qualquer maneira, independente de quem começou o problema, todas estavam juntas para resolvê-lo. E depois que a morte de Tabitha apareceu na tv, as meninas se reaproximaram e passam três livros como melhores amigas (o que nós adoramos). Sobre o que eram os flashbacks, vamos comentar no tópico dos suspeitos de serem o novo -A.

Cenário e personagens secundários
Parte I: a história se passa em Rosewood e nos pontos de encontro de todos os personagens, como Rosewood Day, o King James, o Rive Gauche, a Hollis e as casas das Liars. Alguns capítulos acontecem em Nova York, em cidadezinhas próximas a Rosewood, na Preserve, no Radley e Poconos. Os personagens principais conhecem todos os personagens secundários; independente do tipo de relacionamento entre eles, todos se conhecem porque moram na mesma cidade e estudam na mesma escola. Tanto os personagens principais, quanto os secundários, conhecem Ali e tem uma história com ela. Assim, podemos dizer que Mona foi a primeira -A para se vingar das humilhações que sofreu quando Ali e as meninas eram amigas. Já Ali foi a segunda -A para se vingar das Liars, por considerá-las culpadas pela sua internação - isso depois de matar Courtney. Embora as Liars só ficaram sabendo do que tinham feito quando estavam prestes a tostar em Poconos, elas entenderam a ira da verdadeira Alison. 

Durante a Parte I, quando o segundo -A entrou em ação, todos os personagens envolvidos na Jenna Thing e que sabiam sobre as gêmeas morreram. Tudo que estava ligado ao passado de Ali e a troca das irmãs foi resolvido. Assim, esses personagens tiveram suas passagens encerradas. 

Parte II: as Liars continuam em Rosewood, mas os acontecimentos que movimentam a nova fase aconteceram em outros lugares, como a Jamaica, a Filadélfia, a UP, a estrada onde estava o The Cabana e a última aventura das Liars foi a bordo de um navio - que achamos o máximo.

A saga recomeça na Jamaica e nos apresenta Tabitha Clark, que podemos considerar uma personagem principal. Todos os suspeitos de serem -A estão ligados a ela e esse é o principal motivo que nos fez a-m-a-r essa nova fase. É muito, mas muito legal a maneira como alguns dos novos personagens secundários estão ligados a Tabitha. No começo do post, quando dissemos que não tínhamos a menor ideia de como a história poderia continuar, nós torcemos o nariz quando soubemos dos outros livros. E quebramos a cara depois de lê-los. Simplesmente, a saga ficou melhor do que nunca. Vamos por partes!

O acontecimento que dá a largada para a nova fase é a confusão com Tabitha na Jamaica. Um ano depois do episódio no ninho do corvo, -A volta a ativa. No #9, ficamos sabendo de Tabitha, sua semelhança com Ali e como terminou a discussão entre ela e as meninas. A partir do #10, o prólogo conta o que aconteceu semanas depois da Jamaica com cada uma delas e os desdobramentos desses acontecimentos é que conduzem a história. No #10 (a melhor história na nossa opinião), Spencer está na UP e é presa com drogas. Para se safar, ela pede que Hanna plante o Easy A no quarto de Kelsey, sua nova amiga, para que ela não seja presa. Spencer sai ilesa da delegacia e Kelsey fica presa. No #11, Emily teve o bebê e precisa entregar a criança para os Bakers e desaparecer da Filadélfia o mais rápido possível para Gayle não encontrá-la. No #12, Hanna bate a camionete de Madison e a deixa sozinha e inconsciente no local do acidente para não arruinar a campanha de seu pai. Cada um desses flashbacks envolve personagens que são suspeitos de serem -A e que, de uma forma ou de outra, tem alguma ligação com Tabitha. Então, vamos comentar cada um deles.

#9 - Os novos personagens não estão ligados a Tabitha e aparecem para tumultuar a vida de cada uma delas. Emily conhece os Roland, Aria conhece Klaudia, Hanna conhece Jeremiah e Patrick e Spencer passa a conviver com o namorado da sra. Hastings e seus dois filhos - Zack e Amelia.

#10 - Spencer conhece Kelsey e Phineas durante o programa de verão na UP. Phineas é o traficante que as apresenta ao Easy A e Kelsey é a amiga que Spencer faz no curso e que, assim como ela, precisa de nota máxima nas quatro matérias. Depois de serem pegas com droga, Spencer nunca mais viu Kelsey; até o dia em que a encontra na sala de sua casa ensaiando com a orquestra de Amelia. Emily também conhece Kelsey e fica com ela. Kelsey é a suspeita de ser -A. Spencer encontra fotos de Tabitha no celular de Kelsey, que conta para Emily que esteve na Jamaica na mesma época que elas. O conflito gira em torno da discordância entre Emily e Spencer quanto a Kelsey ser -A. No final, Kelsey é internada na Preserve e, após visitá-la, as meninas descobrem que Tabitha foi paciente da clínica na mesma época que Ali. Aqui, elas ficam sabendo que Ali e Tabitha se conheciam. Nós ficamos sabendo em Ali´s PLL. 

Como as meninas conhecem Kelsey: Spencer ficou amiga de Kelsey na UP. Hanna e Aria a conheceram durante uma festa na casa de Noel, em que Spencer e Kelsey estavam causando doidonas de EA. Emily conheceu Kelsey como Key em Rosewood, depois que ela ficou detida por causa do EA e estava ensaiando com a orquestra de Amelia para diminuir a condicional. Kelsey era aluna do St. Agnes, a mesma escola de Amelia; por isso ela estava na orquestra.

#11 - A gravidez de Emily e o destino do bebê são os responsáveis pelo tumulto. Quando voltou da Jamaica, Emily começou a se sentir indisposta, ter enjoos e a vomitar. Ela fez um exame de farmácia e confirmou que estava grávida. A solução foi falar para os pais que precisava de um tempo de Rosewood e ela se mandou para a Filadélfia para pedir abrigo a Carolyn. Emily passou a se chamar Heather e trabalhou como garçonete em um restaurante, onde conheceu Derrick, a única pessoa para quem ela contou que se chamava Emily e todo o resto. Emily fez de tudo para que as meninas não a vissem grávida; mas é claro que suas tentativas fracassaram. Ela ia dar a bebê para os Bakers até conhecer Gayle, que ofereceu cinquenta mil dólares pela criança. Durante a gestação, Emily se assustou com o comportamento de Gayle. Ao constatar que ela era louca, Emily pediu que as meninas fossem para a Filadélfia e a ajudassem a fugir de Gayle e entregar a criança para os Bakers. Meses depois, Emily está em Rosewood e conseguiu uma bolsa integral na faculdade. Tudo estava perfeito até Gayle aparecer em Rosewood como colaboradora na campanha de Tom. Aliás, esquecemos de mencionar a candidatura de Tom para o senado. A sua campanha é pano de fundo para várias encrencas e é a deixa para Gayle mudar para Rosewood e também para Hanna se envolver em umas confusões. Esbanjando dinheiro, Gayle se enfia na campanha de Tom com o objetivo de acabar com Emily. Gayle é a suspeita de ser -A até ser encontrada morta pelas meninas em sua própria casa. É aí que elas descobrem que Gayle era madrasta de Tabitha e o pai de Tabitha - o sr. Clark - anuncia que a filha foi assassinada.

Como as meninas conhecem Gayle: Aria conheceu Gayle quando foi até a casa dela com Emily, durante a gravidez. Hanna a conheceu durante a campanha de Tom e Spencer sentou ao lado de Gayle durante a prova de bolo do casamento da sra. Hastings e, quando a viu na campanha de Tom, lembrou da cena do restaurante. Antes de vê-la pessoalmente, as meninas já sabiam tudo sobre ela por causa dos relatos de Emily.

#12 - Pela primeira vez a história se passa 100% fora de Rosewood. A bordo do Cruzeiro Eco temos um dos melhores livros da saga. O flashback conta um acidente de carro envolvendo Hanna e Madison, até então uma desconhecida. Hanna abandona a camionete e, com a ajuda das meninas, muda Madison do banco do carona para o do motorista. O problema é que Madison já estava ferida e, durante a mudança, as meninas se desequilibraram e Madison quase estatelou no chão. Esse flashback, apesar de estar no #12, foi o primeiro acontecimento pós Jamaica. Durante o cruzeiro, Hanna fica amiga de Naomi e descobre que ela é prima de Madison. Adoramos o destaque que Naomi teve no livro; ela é uma das suspeitas de ser -A. O outro suspeito é Graham, ex-namorado de Tabitha. É durante o cruzeiro que as meninas desconfiam que -A pode ser mais de uma pessoa e, no final do livro, elas confirmam que -A tem ajudantes. 

Diferente dos outros livros, aqui os suspeitos não são as pessoas que estavam diretamente envolvidas no flashback. Naomi é suspeita porque é prima de Madison e Hanna desconfia que ela quer vingar a prima. Já Graham, o ex de Tabitha, está no cruzeiro e fica amigo de Aria. Depois que ele conta quem é, Aria revira o memorial de Tabitha e encontra várias fotos de Graham e mostra para as meninas. Naomi as meninas conhecem desde sempre. Aria foi a primeira que conheceu Graham durante a caça ao tesouro. As meninas sabiam quem ele era mas não interagiram com ele.

Novos personagens: embora não sejam suspeitos, muitos personagens surgiram para movimentar a história. Emily conhece a família Roland, que se mudou para a casa dos Cavanaugh, e fica amiga de Chloe, a filha do casal. Pierre é o novo professor de teatro. Beau é o aluno novo de Rosewood Day que fica com Spencer e a ajuda nos ensaios da peça Lady M. Liam é o namoradinho de Hanna, filho do maior concorrente de Tom. Jeremiah é um dos assistentes de Tom, que não vai com a cara de Hanna. Patrick é o fotógrafo charlatão. Beth, uma das irmãs de Emily, passa uns dias na casa dos pais. Colleen é a namoradinha de Mike depois que Hanna termina com ele. Sumido desde que foi expulso de Rosewood Day, Ezra retorna quando recebe uma mensagem de Aria. Reefer é o novo amigo de Spencer na UP. A Ladra Patricinha tumultua o cruzeiro e os sentimentos de Emily. Isaac também reaparece e Harper é mais uma das encrencas que Spencer encontra na UP. Dos antigos, Melissa está namorando com Wilden, que não é mais policial, e Kate está com Sean.

Quem é suspeito 
Parte I: praticamente todos os personagens secundários foram acusados de duas coisas: ou mataram Ali ou eram -A. Jenna, Toby, Melissa, Ian, Jason, Wilden, Iris e até mesmo os Hastings foram acusados. As meninas dividiam suas opiniões quanto ao assassino de Ali e quanto a identidade de -A. Como dissemos, todos conheciam Ali e tinham motivos para odiá-la, por isso eram suspeitos. 

Parte II: os suspeitos surgem a partir dos desdobramentos do flashback inicial. As meninas penam para estabelecer uma conexão de cada um deles com Tabitha, já que -A sempre dá um jeitinho de enfiar a Jamaica no meio das encrencas que não aconteceram lá. Kelsey, Gayle, Naomi e Graham estavam ligados aos acontecimentos dos flashbacks. Embora cada um deles tenha uma Liar como protagonista, todas acabam se envolvendo e a desconfiança dessas pessoas tem sempre o mesmo motivo: elas querem vingança. 

Kelsey e Gayle aparecem no flashback e durante o livro. Já Madison aparece só no flashback. Quando Hanna descobre que Naomi é prima dela, Naomi é suspeita de ser -A para vingar a prima. Graham não aparece no flashback mas é suspeito. Depois que Aria descobre que ele é ex de Tabitha, as meninas acham que ele sabe de tudo e quer fazer justiça com as próprias mãos. 

Ali ainda é -A?
Acreditamos que sim. No #9, Aria faz uma observação muito interessante e sensata quando Emily afirma que Tabitha é Ali. Assim como todas elas, Ali saiu da cabana com queimaduras e ferimentos; e, assim como elas, precisava de cuidados médicos. As meninas dizem que nunca mais tiveram notícias dos DiLaurentis, assim como nós também não tivemos. Não há qualquer menção sobre a família nos quatro livros. 

Sobre Ali ser -A. Começamos pelo mais óbvio: ela é a única pessoa que odeia as Liars e tem motivo - pelo menos até agora - para matá-las.  Apesar de cada livro lançar um suspeito, no final eles se mostram inocentes e são vítimas de -A. Também ficou claro que Tabitha estava agindo a mando de alguém. Ela e Ali foram amigas na Preserve e ela sabia de coisas das Liars que aconteceram na época da amizade com Courtney. E Tabitha não morreu com a queda do penhasco; ela foi assassinada. Ah sim, esquecemos de um mega detalhe: para Ali ainda ser -A, ela escapou do incêndio. A polícia não encontrou restos de ninguém nos destroços. Quanto a observação de Aria, nós a destacamos porque é uma coisa que precisa ser explicada caso Ali esteja viva: como foi que ela se virou depois do incêndio. 

Assim como acontece em todos os livros, as meninas sempre escutam uma risadinha quando recebem uma mensagem de -A ou caem em alguma armadilha. Na Parte II, várias vezes é falado que um carro preto rondava as meninas. No #10, Emily é empurrada na trilha e vê uma menina loira de costas fugindo. 

No #12, a última mensagem de -A dá a entender que realmente é Ali que está no comando de um grupo de pessoas reunidas para atormentar as Liars. 

Aliás, também é no #12 que temos mais argumentos para reforçar nossa teoria de que Nick Maxwell é o cúmplice de Ali. Em Ali´s PLL acusamos Nick de ser o cúmplice de Ali porque o livro não falava absolutamente nada sobre ele. No #12, Graham conta para Aria que Tabitha era amiga de duas meninas e de um menino na Preserve e as câmeras do navio filmaram dois homens armando a explosão. 

Por que as meninas desconfiam que -A tem aliados? 
As novas mensagens de -A são sobre os flashbacks do começo do livro, a Jamaica e os novos segredos de cada uma delas. Cada flashback aconteceu em um lugar. Spencer estava na UP quando foi presa, Emily estava em Philly durante a gravidez e Hanna estava em um bar fora de Rosewood. Para -A saber que Spencer estava usando droga, Emily estava grávida e Hanna estava em outra cidade, -A tinha que estar nos mesmos lugares que elas -  e isso inclui a Jamaica e o Cruzeiro Eco. E, claro, Rosewood. Além disso, -A sabotou os brownies de Spencer, haqueou os celulares de Kelsey e Aria, o pc de Naomi, filmou Hanna seguindo Colleen e fez mil coisas ao mesmo tempo. E tem outra coisa super importante: as pessoas que as Liars desconfiam que são -A é porque -A armou para incriminá-las. -A mexeu no celular de Kelsey, -A haqueou o pc de Naomi, -A contou para Gayle sobre Emily, -A avisou Hanna que Liam era filho do adversário de Tom e várias vezes -A agia ao mesmo tempo com as meninas em diferentes situações. Foi por isso que elas começaram a desconfiar que -A tinha aliados; o único jeito de saber de tudo, era estar em tudo. E uma pessoa sozinha não daria conta disso tudo.

Considerações finais
Nós amamos os livros. A história fica cada vez melhor a partir do #9, que nós falamos que era meio chatinho. Mas é porque não acontece nada muito importante, é mais para introduzir Tabitha - que nós já amamos desde a primeira vez que ela aparece.

A história fica muito interessante a medida que os problemas ficam mais, vamos dizer, sérios. E não tem como ler algumas passagens sem associar os personagens dos livros com os da série. Por exemplo: embora as Liars sejam um pouquinho diferente nos livros das que aparecem na série, toda vez que imaginamos uma passagem do livro, associamos com as atrizes da série. Simplesmente morremos de rir imaginando a Troian tendo onda de Easy A e surtando durante a encenação de Lady Macbeth. Desde já imploramos para que isso se repita na série. Apesar de nunca ter aparecido, o sr. Kahn vestido de mulher é impagável. 

Aliás, o envolvimento de Spencer com drogas rende muitas risadas. Primeiro, quando ela é pega com EA e começa a rir na cara do policial dentro da delegacia. Durante o livro, Aria e Hanna lembram de uma festa de Noel que Spencer foi com Kelsey e parou tudo! Depois, ela leva os brownies sabotados na Ivy e tem uma overdose. Nesse núcleo UP, ela conhece Phineas, Reefer e Harper. Ahh e uma parte que não pode ficar de fora: as crises de Pierre - o professor de teatro - e o surto de Spencer na festa de Lady M.

Achamos bem legal que Hanna e Kate passaram a se entender no final do #10. Depois que Mona morreu, não tinha mais graça as briguinhas com Naomi, Riley e Kate. Hanna e Naomi terminaram o #12 amigas e Kate comentou no #11 que ela e Riley brigaram com Naomi, mas não soubemos o motivo. Assim como também não soubemos o que aconteceu com Aria quando ela viajou com Noel para a Islândia.  

Como observamos nos posts do Livro vs Série, a série foi bem fiel até o #4 e após a terceira temporada, parece que cada vez menos os livros servem de referência - mas vamos deixar essa crítica para outro post.

Concluindo: amamos muito os últimos quatro livros e adoramos o rumo que a narrativa adotou. Amamos Tabitha e a maneira que todos os novos personagens estão ligados a ela. Adoramos ver Naomi como suspeita e desde já elegemos as passagens de Spencer doidona como as melhores. 

Nossos posts sobre os livros terminam aqui. Mais uma vez agradecemos as meninas do SweetsForMyLiars e ao pessoal do IEBookStore. Muitíssimo obrigado e até Crushed! 

2 comentários:

  1. Eu já disse que vocês são demais?
    Se não disse, digo agora. VOCÊS SAO DEMAIS!
    Confesso que quando soube que a saga das liars não acaba em Perigosas, também fiquei com uma certa indignação, mas ao ler os resumos dos livros mudei de ideia, realmente Sara Shepard consegue nos prender a cada livro. E claro, as liars não param de aprontar. -A não precisa se esforçar tanto assim para tortura-las rçrçrçr.


    p.s: Também concordo com vocês, necessitamos ver Spencer doidona na série.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Andressa! Nós adoramos os livros e ficamos surpresos como a história ficou ainda melhor. Se a série tivesse sido mais fiel os livros, com certeza a terceira temporada não teria terminado bombardeada por críticas negativas. E precisamos ver Spencer doidona na série; seria simplesmente sensacional! Bjs

    ResponderExcluir